“SER ou TER, eis a questão”

separator
Compartilhar

Antigamente, acreditava-se que as necessidades do ser humano eram as necessidades que Maslow elencava em sua pirâmide, ou seja:

Necessidades fisiológicas: São as necessidades que estão na base da pirâmide, pois sem estas necessidades serem satisfeitas não conseguiremos viver. Ex: dormir, respirar, comer, beber, etc.

Necessidades de segurança: Esta necessidade, como o próprio nome diz, está atrelada a nossa “segurança”, que pode ser: física, financeira, pessoal, etc. O ser humano precisa se sentir “protegido” e resguardar sua vida. EX: moradia, segurança particular, etc.

Necessidades sociais: Sentir- se “incluído”, aceito em um determinado grupo social, seja este grupo formado por colegas de trabalho, amigos, família, etc. Ex: amizades, namoro.

Necessidades de auto -estima: Os outros reconhecerem nosso valor, nossa capacidade através do nosso serviço. Por ex: promoção.

Necessidades de auto -realização: Esta necessidade é o topo da pirâmide. Onde você alcançou todas as suas realizações e está satisfeito com elas. É a realização plena, em todos os aspectos da sua vida. Ex: status, dinheiro.

Antigamente, acreditava-se que estas eram as necessidades “básicas” de qualquer ser humano e que , quando o indivíduo atingia uma necessidade, ele ia automaticamente, satisfazer a necessidade seguinte, tentando assim, chegar ao topo da pirâmide. De acordo com a etapa da vida que a pessoa se encontrava, dava inclusive, para se ter uma “idéia” de quais eram suas reais necessidades naquele momento e, até saber o que oferecer para ela, enquanto sua cliente, naquele momento da sua vida, levando em conta suas necessidades.

Porém, com o coaching, toda esta teoria caiu por terra. Na verdade, segundo o coaching, o ser humano tem apenas 3 necessidades básicas:

  1. Ser ouvido na essência: Que as pessoas realmente prestem atenção ao que ele está dizendo, não apenas “escutar”, mas ouvir com atenção.
  2. Ser notado, reconhecido, amado : Todas as pessoas tem necessidade de serem notadas quando chegam em algum lugar, quando fazem parte de um grupo, etc.; Tem necessidade de ter seu valor reconhecido seja na vida pessoal ou profissional; Tem necessidade de ser amado, ou seja, ser correspondido numa relação amorosa ou ser “valorizado” numa relação de amizade, ou entre pais e filhos;
  3. Ter o direito de errar: O ser humano erra e para ele é importante que as pessoas “relevem”, perdoem, quando ele erra, que deem a ele o “direito de errar” de vez em quando, afinal ninguém consegue “acertar” em todas as suas ações, atitudes, o tempo todo.

Como podemos ver, as necessidades básicas do ser humano, pela ótica do coaching, mudou drasticamente a visão do que é primordial ao ser humano, pois antes o ser humano precisava “Ter” para se satisfazer (segundo a pirâmide de Maslow): ter comida, ter casa, ter emprego, ter amigos, ter status, etc. Hoje, ele precisa “Ser”: ser amado, ser inserido nas relações, ser perdoado nas suas falhas, ser notado no meio em que está inserido, etc. Enfim,” Ter” não satisfaz mais, só o “Ser” satisfaz o homem moderno.

Esta “mudança” drástica de visão que podemos ter através do coaching muda tudo: valores, crenças, costumes, etc. Antes, a pirâmide de Maslow era a “verdade absoluta”, o que todos nós acreditávamos ser o certo, então ela era usada para mensurar não só a nós mesmos, como também organizações e clientes. Hoje, esta “mensuração” não tem mais valor algum, pois o “ser” não se mede, se percebe.

Quando “somos” alguém, deixamos para todas as pessoas que convivem conosco e até para as que não convivem, mas que de certa forma estão “vinculadas” a nós ,ainda que indiretamente, um “legado”.Quando somos, acrescentamos não só nas nossas vidas, mas nas vidas das outras pessoas, porque evoluímos internamente, aprendemos, sentimos, externamos muito mais sentimentos do que antes, o que nos torna mais “humanos”, literalmente. Somos “mais” no sentido de experiências, de trocas, de atitudes. Somos mais amor, carinho, afeto, dignidade, respeito, ternura, compaixão.

Agora que tomamos “consciência” de toda essa “evolução” de valores que a nossa sociedade vivenciou e nem sequer havíamos nos dado conta disto, eu te pergunto:

_O que é melhor para a sua vida? (Ser ou Ter, eis a questão).

Pense muito bem antes de responder a esta pergunta, pois a resposta mudará completamente a sua vida e todos os resultados que advirão desta sua escolha. Lembre -se: “A vida, nada mais é, do que uma sucessão de resultados, advindos de suas próprias escolhas”. A felicidade nada mais é, do que uma escolha, que se renova ou não, a cada dia que você desperta. Sorrir ou chorar, agir ou se lamentar, a escolha é sempre sua!!!

 

Lúcia Marli de Souza é paulistana, formada em administração de empresas, pós-graduada em gestão bancária, palestrante, empresária, Life, Professional, Business Coach, CEO da Luma’s Coach, apresentadora do quadro “Coaching na prática ” no programa Inova360 da Rede Record News.