Saiba o que é uma caixa de estilo e como utilizá-la

separator

 

Por Jair Lemes

As caixas de estilo foram criadas e projetadas para representar visualmente as características de investimento de ações e fundos mútuos, fornecendo uma representação gráfica das categorias de investimento em renda fixa e ações. Uma caixa de estilo é uma ferramenta valiosa para os investidores usarem ao determinar a alocação de ativos.

As caixas de estilo são construídas como uma grade de nove quadrados com eixos horizontal e vertical.

Nas caixas de estilo de Fundos de Renda Fixa e crédito, o eixo horizontal mostra as categorias de vencimento de um fundo representadas por: curto, médio e longo prazo. O eixo vertical é dividido em três categorias de qualidade de crédito agrupadas por classificação de crédito: alta, média e baixa.

Uma caixa de estilo pode ajudar os investidores a entender melhor as qualidades e características de um investimento. Um investidor também pode usar a análise de caixa de estilo para criar um portfólio diversificado de investimentos em categorias.

Por exemplo, um investidor que procura um fundo de ações relativamente seguro como um investimento mais conservador para a parte do patrimônio de seu portfólio pode procurar algo na caixa de valor de capitalização alta, uma vez que os lucros de capitalização alta são geralmente estáveis ​​e os fundos de valor são estáveis e bons no longo prazo.

Se esse mesmo investidor estiver procurando algo com mais risco e maior retorno para adicionar à parte mais agressiva de seu portfólio, ele poderá selecionar um fundo na categoria de crescimento de capitalização menos (smallcaps). Embora a categoria de caixa de estilo forneça um guia para o investimento, os investidores também devem fazer uma diligência cuidadosa para garantir que um fundo atenda seus interesses de investimentos.

Ao mesmo tempo, uma caixa de estilo é uma ferramenta com várias outras aplicações práticas.

A caixa de estilo de patrimônio doméstico foi projetada para auxiliar na avaliação de valores mobiliários e é o tipo mais conhecido e popular dessa ferramenta.

Como usar uma caixa de estilo

 Juntos, os eixos vertical e horizontal podem ser usados ​​para classificar um fundo mútuo em uma das diversas categorias (exemplos):

-Valor grande

-Grande mista

-Grande crescimento

-Valor médio

-Mista média

-Crescimento médio

-Pequeno valor (smallcaps)

-Mista pequena

-Pequeno crescimento

Esse sistema de categorização é útil para determinar como um investimento se encaixa em um portfólio de investimentos específico partindo de uma perspectiva de alocação de ativos. Alguns investidores o utilizam para encontrar um fundo para cada categoria, enquanto outros se concentram em áreas específicas. Por exemplo, um investidor agressivo pode se concentrar principalmente em pequenos fundos de valor ou fundos de crescimento. Ainda assim, a colocação de um fundo na caixa de estilos não é apenas útil na seleção de investimentos. Também é útil a longo prazo, onde os dados da caixa de estilo históricos podem ser usados ​​para verificar a consistência dos ativos de um portfólio.

As mesmas caixas de estilo usadas para avaliar fundos mútuos também podem ser empregadas para avaliar ações e títulos individuais; afinal, as caixas de estilo já são usadas para avaliar cada título subjacente em um determinado fundo antes que os dados sejam calculados para fornecer uma classificação no nível do fundo. Muitos investidores não estão familiarizados com esse uso da caixa de estilos.

Caixa Estilo Renda Fixa

Além das caixas de estilo de patrimônio, há uma caixa de estilo para investimentos de renda fixa. Como as caixas de estilo de patrimônio, a caixa de estilo de renda fixa pode ser usada para categorizar os investimentos em uma das nove categorias. Ele mede a qualidade do crédito em seu eixo vertical, classificando os investimentos como alto, médio ou baixo. O eixo horizontal classifica a sensibilidade da taxa de juros, medida pela duração dos títulos da carteira (vencimento). As categorias de duração incluem curta, intermediária e longa. Cada título subjacente na carteira de um fundo tem uma taxa de qualidade de crédito distinta e uma data de vencimento definida, facilitando a categorização.

Além de desenvolver caixas de estilo proprietárias, provedores de pesquisa e analistas de valores mobiliários foram além do uso dessa ferramenta para avaliar fundos mútuos e títulos individuais, adotando-a para avaliar e categorizar gestores de recursos.

Os analistas de pesquisa usam a caixa de estilo para desenvolver portfólios hipotéticos que combinam vários gestores. Dessa maneira, pode-se mostrar aos investidores como criar um portfólio diversificado através do uso de gestores de investimentos.

Os dados históricos podem ser usados ​​para executar uma variedade quase infinita de cenários que dão aos analistas, consultores financeiros e investidores a oportunidade de considerar os resultados de desempenho e a consistência de estilo que teriam resultado da combinação de vários gestores em permutações específicas e porcentagens de alocação de ativos.

O mesmo tipo de análise também pode ser feito com títulos individuais.

Além da seleção de investimentos, as caixas de estilo também desempenham um papel no monitoramento de um gestor de recursos permanecer ou não fiel ao seu estilo declarado. Por exemplo, um gestor de “valueinvesting” exibe uma tendência para comprar estoque de valor seria rotulado como “núcleo com inclinação de valor”. Se esse gerente de repente começar a favorecer ações em crescimento, os investidores gostariam de tomar nota desse estilo e considerar escolher um novo gerente se a adição de ações em crescimento entrar em conflito com o modelo de alocação de ativos desejado ou mover o portfólio em uma direção que não atingir seus objetivos de investimento de longo prazo.

Como as carteiras administradas são vendidas por consultores financeiros profissionais, seu consultor pode fornecer facilmente informações da caixa de estilos, caso deseje vê-las.

A caixa de estilos não deve ser utilizada de forma isolada as demais ferramentas de planejamento patrimonial.  Consulte seu gestor de investimentos para mais informações.

 

Jair Lemes assina a coluna “Capital Inteligente”, no Inova360, parceiro do R7. É especialista em investimentos e finanças, com certificação CFA, está à frente da Brava Capital e é comentarista do programa de TV Inova360.

https://www.linkedin.com/in/jairlemes

[email protected]

https://bravacapital.com/produtos/