Realidade aumentada permite visualizar linhas de metrô em tempo real

separator

O horizonte entre o mundo físico e o digital encontra novos pontos de convergência a cada dia. Hoje, é praticamente impossível separar a vida real da virtual; a tecnologia se tornou parte de quem somos, uma espécie de extensão da própria humanidade. Esse vínculo, aliás, traz grandes benefícios à população, à medida que propõe saídas para problemas antigos de áreas como a mobilidade urbana, principal foco da tecnológica que permite pessoas visualizarem linhas de metrô em tempo real.

A solução proposta pela WhatsNext Digital, estúdio de criação brasileiro com foco em experiências imersivas, faz uso da câmera de realidade aumentada (AR) do Facebook para projetar sobre mapas de estações de metrô versões digitais das linhas, onde o usuário pode visualizar, dentre outras informações, a posição de cada metrô em relação a sua estação.

O processo para acessar a câmera AR do Facebook é bem simples, basta que o usuário escaneie o código QR presente em qualquer mapa de estações e, no aplicativo do Facebook, aponte a câmera para o mapa. Para visualizar um demonstrativo da tecnologia, abra a câmera do Facebook através deste link e aponte o dispositivo para a imagem de capa dessa matéria.

Benefícios da tecnologia

O metrô de São Paulo é possivelmente o meio de transporte mais popular do estado, contudo, para viajantes de primeira viagem, identificar linhas e estações adequadas para o seu destino pode não ser uma tarefa intuitiva. Por isso, a realidade aumentada chega com o propósito de simplificar o acesso a informações fundamentais, como horários, destinos e integrações, assim como dados específicos, como pontos de interesses em cada estação.

No entanto, o impacto positivo dessa tecnologia vai muito além de dados e coordenadas. Por se tratar de um serviço distribuído através da plataforma do Facebook, os custos com servidores, manutenção e infraestrutura são assumidos pela gigante do Vale do Silício, o que traduz uma economia anual milionária para os cofres públicos.

O que é realidade aumentada?

Embora pareça algo recente, a realidade aumentada faz parte do nosso cotidiano há pelo menos uma década, aparecendo primeiro em programas jornalísticos onde o meteorologista interagia com uma representação virtual da Terra para apresentar as previsões do tempo. Mas logo encontrou novas aplicações na TV brasileira, se tornando extremamente popular em transmissões esportivas, sobretudo de futebol, exibindo propagandas que flutuam sobre o estádio e marcações virtuais de impedimento, distância etc.

No entanto foi nas redes sociais que essa tecnologia tomou proporções estratosféricas. Com filtros faciais dos mais variados, de máscaras de gato a máscaras de bebês, a AR se tornou febre entre os jovens, atingindo bilhões de usuários todos os meses, especialmente no Brasil, que é o segundo maior consumidor de redes sociais do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Em suma, realidade aumentada é a tecnologia que permite que, através da tela de dispositivos inteligentes, se expanda o mundo físico, adicionando novas camadas de informações digitais que podem conter sons, objetos 3D, vídeos, animações e diversos outros elementos virtuais em tempo real.

Como funciona a realidade aumentada?

Essencialmente, de duas formas: através de um aplicativo próprio, como fez a Sephora em uma de suas campanhas publicitárias mais eficientes de 2018, ou através da redes sociais, por meio do aplicativo do Facebook ou do Instagram.

Em ambos os casos, o usuário precisa de um dispositivo móvel para visualizar a realidade aumentada. A câmera desses dispositivos é responsável por captar e reconhecer o ambiente em volta do usuário e, a partir daí, projetar na tela o conteúdo da AR.

O destaque aqui é para a realidade aumentada sem aplicativo nativo. Com ela, o usuário não precisa baixar nada, pois tudo é processado de forma automática pelo app do Facebook ou do Instagram. Lá, criadores influenciadores e usuários comuns podem gerar fotos e vídeos diretamente do app, compartilhando-os através de posts, lives ou stories.