O preconceito fruto da “incapacidade”?