O preconceito fruto da “incapacidade”?

separator

O preconceito fruto da “incapacidade”?

“Não ouço, não vejo, não falo.” Quantas vezes agimos assim, simplesmente para não assumir a responsabilidade do conhecimento e da capacidade em nós e em todos? Apesar de conhecimento e capacidade não serem sinônimos, eles andam juntos e vamos conversar um pouco sobre isso. “Uai”, um café e excelente pão de queijo são sempre um

“Não ouço, não vejo, não falo.”

Quantas vezes agimos assim, simplesmente para não assumir a responsabilidade do conhecimento e da capacidade em nós e em todos? Apesar de conhecimento e capacidade não serem sinônimos, eles andam juntos e vamos conversar um pouco sobre isso.

“Uai”, um café e excelente pão de queijo são sempre um prazer.

Apenas para contextualizar, começamos, hoje, com a frase que nos trouxe uma reflexão profunda, pois nunca havíamos parado para refletir. Algumas situações reverberam por horas, ou dias, até que amadurecemos e enxergamos o potencial guardado, por vezes, em coisas simples. Isso foi o que ocorreu nos últimos dias.

Em algumas horas de conversa, com café e pão de queijo, fomos impactados com uma grandiosa observação: “Sabe, conhecimento e capacidade são coisas muito diferentes. Não estimular o potencial da capacidade de alguém chega ser uma forma de preconceito.”

Concordamos, imediatamente, com a frase e, só não tínhamos ideia do barulho que iria fazer com nossas reflexões. No voo para casa, pensamos em quantas vezes, talvez, agimos com “preconceito” por não considerar, de forma clara, a diferença de conhecimento e capacidade.

Passados dias, desde que ouvimos a frase de forma impecável, começamos a buscar o que ela traduziria, para nosso dia a dia. A etimologia de conhecimento, cognocere, vem de “ato de conhecer”. Ato significa a capacidade de agir ou fazer, enquanto conhecer é perceber e incorporar à mente. Sim, o conhecimento é nossa capacidade de fazer o processo de aprendizado, observação e retenção da informação, em nossa memória. Isso nos traz total autorresponsabilidade, pois agir, ou fazer, significa o movimento iniciado por nós e por mais ninguém. A expressão que diz: “O mestre surge, quando o discípulo estiver pronto”, demonstra a importância de o discípulo entrar em ação, para ter acesso ao mestre, ao conhecimento.

Para analisar de forma completa a frase, ainda faltava destrinchar um pouco o conceito de capacidade. A definição mais simples refere-se ao potencial para conter, acomodar ou guardar algo, ou o poder de produção e execução. Por vezes, usamos a capacidade como a condição hábil, já desenvolvida, de realizar certa tarefa, mas a definição reside em “potencial e poder” de executar algo. Isso nos faz refletir que, ao julgarmos a capacidade de alguém, estamos trazendo a possibilidade de não ter a atividade realizada, mesmo antes da ocorrência. Por esse motivo, a capacidade está associada, muitas vezes, ao sentimento de confiança no potencial da pessoa, e o contrário pode demonstrar um perigoso caminho de discriminação.

É óbvio que capacidade e conhecimento são distintos e andam juntos, ao mesmo tempo. Quando criamos a possibilidade de absorver conhecimento na realização do dia a dia, fortalecemos a confiança na capacidade individual, e, quando nós entendemos que conseguimos realizar algo, precisamos apenas de treinamento para adquirir conhecimento, fazemos um reforço de nossa autoestima.

Há muito tempo, Francis Bacon disse: “O conhecimento é poder”.  Talvez por isso, ainda encontramos muitas pessoas que preferem não criar oportunidade de compartilhar seu conhecimento, e, consequentemente aumentar a capacidade de todos. Aqueles que usam o preconceito, oriundo da pseudo falta de capacidade, são os mesmos que precisam ser centro.

Particularmente, pensamos que o fortalecer da capacidade, com aumento de conhecimento, é potencializado, quando, aquele, que aprende, sente que quem compartilha seu conhecimento o faz, não por saber mais, mas por entender que uma das grandes alegrias de nossa vida é dividir e compartir experiências. Afinal, algumas vezes mestres, mas, muitas, seremos discípulos.

Eu acredito que falta apenas reconhecer a capacidade potencial em aprender novos conhecimentos. E você, o quanto está atento em compartilhar seu conhecimento e fortalecer a capacidade de todos aqueles que estão em sua caminhada?

Fernando dos Reis é Coach e Gestor de equipes de alto desempenho, especializado em profissionais e empreendedores que desejam tirar seus planos do papel e alcançar seus objetivos e conquistas. Com o foco de que para atingirmos o que realmente buscamos, pois isso irá nos fazer mais felizes, precisaremos muito mais que planejamento.  O ponto essencial para a jornada de nossas conquistas é mudar os nossos comportamentos, para obtermos uma vida próspera. Fernando acredita que precisamos apenas de 3 pilares, para chegarmos onde desejamos. Se desenvolvermos Liderança Pessoal, Atitudes Vencedoras e carregarmos técnicas simples para nos reenergizar, conseguiremos alcançar nossos objetivos com o equilíbrio necessário.

Perguntas e comentários sobre desenvolvimento pessoal, aplicados na vida real, podem ser enviados no instagram @fernando.dos.reis