Marketing eleitoral em época de pandemia

separator
Compartilhar

Por Kleber Santana

A pandemia acelerou o uso das mídias digitais para a divulgação de pré-campanha e campanha de vereadores e prefeitos em todo o Brasil.

Apesar dessa tendência bater à porta há quase dez anos, muitos pré-candidatos ainda não estavam preparados para a nova forma de comunicar-se com os eleitores.

É possível citar bons exemplos de grandes campanhas eleitorais que conseguiram a vitória por meio do uso das mídias digitais, como a do presidente do Estados Unidos, Barack Obama; do Presidente em exercício, Donald Trump e do atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Essas campanhas eleitorais foram conquistadas com baixo investimento, se comparadas às campanhas anteriores, e as redes sociais foram protagonistas nas campanhas acima citadas.

Mas antes de iniciar uma campanha política e garantir bons resultados, é necessário entender a diferença entre marketing político e marketing eleitoral. Ambos os termos parecem ter o mesmo significado, no entanto eles possuem diferenças na estratégia, conteúdo e objetivos.

O marketing político visa divulgar as ações do político no exercício do seu mandato. Seus objetivos são criar uma imagem para futuras eleições, conquistar apoio popular e consolidar o seu nome (a sua marca).

É uma estratégia contínua e a longo prazo e necessita de divulgação constante para fixar a sua marca pessoal, adequando o político às expectativas do eleitor.

Já o marketing eleitoral é uma estratégia a curto prazo, que prioriza ações para comunicação e divulgação voltadas a determinada eleição. O objetivo é a eleição de um candidato, logo, a meta de conversão é facilmente verificada com o resultado das urnas.

Uma estratégia complementa a outra, tanto no período eleitoral quanto pós eleição e devem estar alinhadas uma com o outra.

Depois de entender a diferença entre esses dois assuntos, seguem abaixo algumas sugestões para aumentar a eficiência de sua candidatura política nesse período em que reuniões e contato físico estão proibidos.

-Antes de tudo, é imprescindível conhecer bem as regras do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) acerca das divulgações e materiais autorizados para o uso durante a pré-candidatura e candidatura.

-Não seguir as regras impostas pelo TSE pode causar grandes transtornos no andamento da campanha e pós eleição. Os seus concorrentes sempre tentarão encontrar brechas em sua candidatura, principalmente depois que seu nome se tornar conhecido entre os eleitores.

-É importante ter material de apoio com as suas propostas para a cidade, a fim de enviar aos possíveis eleitores. Importante, nunca exagere na quantidade de mensagens.

-Definir o público com quem irá se comunicar também é muito importante. É impossível atingir todos os eleitores e por isso é importante saber o que você defende e qual é o seu objetivo.

-Defender uma causa é imprescindível, pois as pessoas querem que o candidato tenha um propósito definido. Atualmente os eleitores são mais politizados e sabem, por isso não saia prometendo o que não vai conseguir cumprir.

-Faça um plano de negócios, como se fosse abrir uma empresa, definindo qual o seu público alvo, o que vai oferecer, aonde vai atuar, quais bairros pretende visitar, quem serão os seus apoiadores diretos e indiretos, qual a comunicação e causa que irá defender em sua campanha, quem irá ajudá-lo a responder e quanto está disposto investir.

-Abuse nas lives, nas informações e interações pelas redes sociais. Busque entender o que os eleitores esperam de você, quais são as necessidades de sua cidade e qual a direção que ela espera que você siga.

-Se possível, tenha alguém estratégico para te auxiliar, pois você é o candidato e tem que estar em campo e neste momento a frente do computador ou do celular. Não pense que porque você está em casa e as portas estão fechadas por causa da pandemia, você poderá descansar e trabalhar menos. Você terá que fazer campanha diariamente, ser organizado, disciplinado e fazer campanha do sofá de sua casa da mesma forma que faria se tudo estivesse normal. Por isso, envie whats para os seus conhecidos, converse sobre as suas intenções, fique conectado em suas redes sociais, entre em grupos da sua cidade, converse com as pessoas, publique matérias sobre o que defende, sobre os seus objetivos de mudança. chame as pessoas no inbox e cuidado para não ser invasivo.

Enfim, mexa-se, se reinvente, esteja conectado o máximo que puder e planeje as suas ações de marketing eleitoral, pois ganhar nos 45 dias que antecedem as eleições é quase impossível.

Kleber Santana é especialista em Marketing e Vendas e fundador e diretor da agência KMC

www.klebersantana.com.br

www.linkedin.com/in/klebersantana

www.agenciakmc.com.br