Cartas a um futuro investidor em tempos de coronavírus

separator
Compartilhar

 

Carol Paiffer, especialista em Bolsa de Valores, em home office

Carol Paiffer, especialista em Bolsa de Valores, em home office

 

Por Carol Paiffer

Estamos passando por um momento de pânico geral e ele não é apenas uma preocupação com a saúde, mas sim os impactos econômicos que isso acarretará.

Nos últimos dias cidades do mundo todo entraram em estado de emergência em virtude do aumento de contaminados pelo novo coronavírus.

As bolsas despencaram, as pessoas entraram em pânico, e muitas empresas já adotaram o home office.

Todo esse movimento impacta diretamente no bolso de cada um de nós e muitos ainda perderão seus empregos.

Se as pessoas não saírem de casa, se as pessoas não consumirem, a economia breca, as empresas faturam menos e com menos faturamento, cortam o número de colaboradores.

Você deve estar se perguntando: o que eu faço então?

A tecnologia e a internet nos permitem hoje fazer dinheiro e aproveitar movimentos como esses.

Só existe um mercado que você não depende nem de clientes nem de chefe (eu pelo menos só conheço esse): o mercado financeiro.

Nos EUA, mais de 60% da população investe. No Brasil esse número é de menos de 0,5%, e vergonhosamente existiam há seis meses atrás mais pessoas na cadeia do que na bolsa de valores.

Mas porque brasileiro investe pouco?

-Não tem conhecimento e fomos educados a ter medo de tudo que envolve risco (lembrando que se você acordou e levantou da sua cama você já tomou risco);

-Educação financeira do brasil é voltada para o consumo e o endividamento:

-A taxa de juros no brasil sempre foi elevada e isso fez com que quem tinha como investir preferisse sempre a renda fixa.

Mas esse cenário mudou.

A Bolsa mudou.

Hoje ela é toda eletrônica e no conforto da sua casa, de um notebook ou de um celular você consegue comprar e vender ações (pedacinhos de empresas).

Hoje temos na palma da mão informações sobre o mundo todo.

Escrevi essa carta dia 16 de março de 2020, às 11h40 e a Bolsa já estava aberta, mas mesmo antes dela abrir já sabíamos que seria um dia de grandes oscilações porque as bolsas da Ásia já estavam abertas e temos acesso a tudo isso hoje.

Antes que você pense: MAS ISSO NÃO É PARA MIM!

É por isso que resolvi começar essa série de cartas.

Não achei que era para mim também…

Primeiro, permita-me me apresentar.

Sou Carol Paiffer, presidente da Atom S/A, tenho 32 anos, minha empresa tem capital aberto na Bolsa de Valores, mas eu nunca imaginei que estaria nesse mundo dos investimentos.

Eu ia fazer faculdade de moda, decidi fazer administração de empresas porque sonhava em ter uma empresa de moda e não queria ir à falência (risos) e no primeiro ano de faculdade meu irmão me falou sobre bolsa de valores.

No começo achei que não era para mim, mas vi ali uma oportunidade de ser livre.

De ganhar dinheiro de verdade e com velocidade.

Essa primeira carta é para te dizer que existe um mercado gigante e que possivelmente você leitor não está surfando essa onda.

São 169 bilhões de dólares negociados na Bolsa de Nova Iorque em um único dia.

Ou seja, pensa em um varalzinho de dinheiro que passa na sua frente todo dia e você poderia colocar uma parte desse varal no seu bolso.

Grandes investidores começaram pequeno e não inventaram empresas, simplesmente compraram pedacinhos de outras empresas.

Hoje é mais simples, mais prático, mas é claro que não é da noite pro dia, você precisa ESTUDAR.

Hoje passo meus dias ensinando pessoas a investirem na Bolsa e as que mandam bem (passam em um teste) eu contrato para usarem nosso dinheiro, operarem e lucrarem, sem risco para elas.

Se todo mundo aprender a investir teremos um país mais bem resolvido financeiramente e isso é ótimo a todos, a economia melhora, tudo melhora.

Sim, você precisa aprender.

E o melhor momento é agora!

Estamos diante de uma queda dos preços, ou seja, se você aprender como o mercado se comporta, poderá aproveitar essa baixa e fazer patrimônio, fazer dinheiro que poderá te trazer uma tranquilidade, uma renda extra e quem sabe até virar sua renda principal.

A tecnologia e a internet nos trouxeram a liberdade de poder ganhar dinheiro de qualquer lugar, de poder estudar de qualquer lugar.

Não esqueça disso e lembre-se para ter lucro é COMPRAR BARATO E VENDER CARO, basta pensar assim que a bolsa fica mais simples.

Na próxima carta vou te contar como faço para meus traders terem resultados e como hoje temos pessoas espalhadas pelo mundo todo e que não eram do mercado financeiro, como estudantes, médicos, dentistas, vendedores, professores, entre outras tantas profissões, que agora fazem parte do nosso time.

Te espero na próxima carta e, por favor, não ignore o mercado financeiro.

Carol Paiffer é especialista em Bolsa de Valores, presidente e diretora da área de Investimentos da Atom S/A, que trabalha no relacionamento com os investidores. É colunista do Inova360, parceiro do portal R7, e comentarista do programa Inova360, na Record News.